O tamanho de nosso fundo de emergência não é um conteúdo pequeno. Se for extremamente menor, corremos o traço de que possa ser insuficiente, mas se for bastante grande, estaremos deixando dinheiro ocioso que poderíamos estar investindo pra alcançar nossas metas financeiras.
Há várias regras de dedo que nos tentam relatar, de uma maneira descomplicado, de que tamanho tem que ser o nosso fundo para emergências.
Muitos especialistas em Finanças Pessoais dizem que um agradável fundo pra emergências, idealmente, tem que dominar entre três e seis meses de nossa renda mensal. Outros pensam que é melhor que seja entre 9 e 12 meses.
Quando vejo este tipo de regras a toda a hora ponho-me a sonhar Por que esta divergência de critérios? Por que 3 ou 9 meses? Por que nem 7 meses e meio?
Como eu sempre disse, as finanças pessoais são isso: pessoais. Sendo assim, o tamanho perfeito do fundo de emergência para você necessita estar fundado na sua própria situação e suas necessidades.
Nem é o mesmo de alguém que dispõe um emprego estável, vive sozinha e não tem dívidas, que um contratante independente que não tem renda fixa, todavia possui três filhos em faculdade característico, paga a hipoteca e, além disso, mantém um saldo devedor em seus cartões de crédito. Ambos precisam de um fundo de emergência de tamanho bastante desigual.
As pessoas que têm um emprego fixo em uma corporação estável, podem sonhar que, em caso de perda de emprego receberão uma liquidação equivalente a três meses de salário integrado, mais 20 dias por ano trabalhado. Este é um colchão que permite ter serenidade para buscar outro emprego, mesmo que no México, temos que aceitar que não é fácil de localizar outro serviço de maneira rápida e que pague um salário similar. Dessa forma precisamos que nosso fundo para emergências nos possa servir também como um colchão neste caso.
Se um está acostumado a pagar o saldo total de seu cartão de crédito cada mês e não dispõe dívidas de gasto durável, pode ser suficiente manter um fundo pra emergências de, ao menos, o equivalente a entre um e três meses de despesa: um valor que nos faça perceber confortáveis para enfrentar qualquer situação extrema.
Eu adoro de aguentar com três meses, já que eu penso que, se perder o meu trabalho, receberia o meu afastamento que me “compra” uma margem de manobra de pelo menos três meses. Meu fundo de emergência me daria mais três meses adicionais que poderiam ser usados em caso necessário.
Outra forma de pensar é que o tamanho do fundo de emergência necessita ser um valor suficiente que nos permita pagar a franquia e coaseguro o nosso seguro de gastos médicos mais velhos, um montante adicional para qualquer diferença em honorários médicos e despesas nem cobertas que seja gerada e, além disso, fique o suficiente para pagar a franquia do seguro do nosso veículo.
Se a pessoa dispõe dívidas de gasto, então, a situação é mais delicada, já que a prioridade necessita ser a de atacar essas dívidas antes de haver muito dinheiro para elaborar um fundo pra emergências. Neste significado, valeria a pena escoltar o conselho de Dave Ramsey: ter um mini-fundo pra emergências de 10.000 pesos que podem cuidar para aguentar com situações pequenas, sem necessidade de acrescentar as nossas dívidas. Uma vez que terminar de pagá-las, então devemos reflexionar em aumentar o nosso fundo de emergência para um tamanho maior do que nos permita superar com situações difíceis sem ter que recorrer – outra vez – a endividar.
Todavia os profissionais independentes, que têm receitas de honorários, nem recebem uma liquidação em caso de perder um de seus clientes. Então nem possui nenhum colchão no tempo em que conseguem substituir essa fonte de renda.
Por outro lado, dependendo do tipo de trabalho podem ter épocas de crises, durante as quais passam vários meses sem receber rendimentos significativos. Assim sendo, do meu ponto de visibilidade, os profissionais independentes devem reflexionar em ter um fundo de emergência de, pelo menos, o equivalente a seis meses de sua despesa mensal corrente, se nem mais.
Nessa situação precisa-se raciocinar em ter um colchão de espuma ao menos três meses de despesa familiar comum, que permita evitar uma súbita perda de receitas durante esse tempo. Contudo é perfeitamente possível possuir uma situação de urgência, correto quando um perde tua renda, então esses três meses não são suficientes. Poderá-Se meditar em adição conservar um dinheiro equivalente a franquias de nossos seguros, igual descrevemos antes.

Ana quer saber se lhe convém levar à capital em sua crédito hipotecário. Pergunta-Me o seguinte:
Ana: o que está a imaginar é ótimo. Tudo o que você podes pagar à capital em suas dívidas se vai libertando. Como bem dizes em um princípio paga puros interesses, pelo que, nos primeiros anos de um crédito hipotecário, um pequeno pagamento a capital se podes restringir o tempo de forma significativa (até anos inteiros).
Por isto é um modelo, suponha que tú paga em torno de três.000 pesos por mês, dos quais 100 pesos é para capital e dois,900 são interesses.
Se tu, de repente, sob esse tema, pode carregar pra capital outros de três.000 pesos, talvez tú pegar um ano e meio de tempo (supondo que sua renda mensal, se continue idêntico e nem se reduza, eu acredito que seria o caso, já que também deve ser calculada em VSM). Obviamente, é um exemplo hipotético e teria que ver o teu caso em particular.
Não obstante (como tudo em Finanças Pessoais) tem que acompanhar o seu plano financeiro de forma integral.
Ou melhor, se tú tem outras dívidas de curto período (a título de exemplo, cartões de crédito) te convém extremamente mais pagá-las primeiro, antes de trazer pra capital na sua hipoteca – a taxa de juros que cobram é bastante mais alta). Por outro lado, ao pagá-las libera de uma obrigação de pagamento (dinheiro que pagabas cartões tú tem o livre para ser dedicado a novas coisas).
Uma vez pagas as dívidas de curto tempo, teria que examinar se tu possui um fundo para emergências e um plano de poupança pra tua remoção (isto é super significativo, infelizmente no México ninguém toma previsões e no momento em que se dá conta, costuma ser tarde além da conta. As pensões que nos dá a segurança social, infelizmente, são insuficientes para manter um nível de vida adequado, em uma fase na qual devemos desfrutar as frutas de uma intensa vida de serviço).
Se não os dispõe, eu definiria valor que você necessita e quanto tu tem que contribuir mensalmente para aparecer a essas metas (em tão alto grau pra formar um fundo para emergências, como pra sua remoção). Se, após contribuir com o valor mensal necessário a essas metas, ainda tem algum excedente, então você podes destinar esse excesso às suas algumas metas, como, a título de exemplo, transportar para a capital em seu crédito hipotecário.
No final, qualquer um de nós podemos solucionar o que nos é mais importante: a que damos prioridade. Todavia temos que tomar uma decisão informada, e opinar todas as possíveis metas importantes, incluindo transportar para a capital em seu crédito, o retiro, o fundo pra emergências, a educação dos filhos, etc.
Lembre-se que as Finanças Pessoais são só uma ferramenta para direcionar o nosso dinheiro pro que é mais respeitável para nós. Mas uma bastante poderosa.

Esse é um post de convidados Planeja Seus Finanzas.com – Se tú está interessado em participar e escrever um artigo (ou mais) nessa página, consulte os requisitos nesse lugar.
Esse post o que gastar primeiro? está escrito por Ricardo Vega, que dispõe 20 anos de idade e estuda a carreira de Bacharel em Administração da Instituição Autônoma de Nuevo León, hoje em dia cursando o 8º. Semestre. Possui interesse em focos financeiros.
Algumas vezes, ao receber o dinheiro nos propomos a gastá-lo de forma adequada. Outros preferem malgastarlo em coisas desnecessárias ou que não ocupam. Portanto, é relevante possuir uma educação financeira, que permita amparar a planejar melhor nossas despesas para que, logo após, na quinzena ou semana (conforme seja a maneira de pagamento), que não sejam uma surpresa, como o típico já não tenho, se foi muito rápido, a quinzena ou semana, nem me atingiu, é que o dinheiro se foi bastante rápido, ou novas expressões do gênero.
É dessa forma que tive para escrever este artigo e espero continuar fazendo mais, todavia eu não tenho experiência de serviço (só fiz práticas profissionais e faço o meu serviço social). Estudo Administração e navegando me deparei com esta página que fala de assuntos financeiros e propus o foco como gastar o dinheiro, com apoio em minhas experiências.
A visão pessoal, é interessante possuir uma economia permanente, o qual possa servir para futuras contingências. Por conseguinte, tenho visto casos onde até mesmo as famílias, onde os dois membros principais trabalham e nem têm a gasolina do veículo que ambos usam (mesmo que tenham um fantástica trabalho e obter bem), entretanto pela hora de resolver em que gastar é onde surge a problemática. Não pensam naquilo que nos move diariamente.
De acordo com o ponto de vista pessoal, deve gastar de acordo com uma hierarquia que, de acordo com as situações que tenho observado me pus a desenhar (por ordem progressiva):
Quer encher o veículo de combustível ou em caso diferente, produzir um orçamento do transporte público que se usa, que no meu caso é usado um cartão pré-pago.
Considerável já que é o “combustível” de uma pessoa, produzir um orçamento de despesas de alimento ao período em que receber o pagamento (semanal, quinzenal). Outra dica é nem obter comida, é bem transportar qualquer coisa pronto de casa. Pela maior parte das vezes, é menos caro do que o caso antes explicado.
Do mesmo jeito que o são os serviços de água, claridade, gás, telefone ou televisão paga, além de despesas que, de acordo com a pessoa possa exibir-se como o jornal da residência ou dos filhos.
Isto inclui todos aqueles que são de uso particular, como os de higiene. Só o importante e montar listas de tudo o que, na verdade, ocupa-se, de acordo com a carência.
Esta podes ser uma quantia em conta de poupança, a qual podes ser de cinco% a dez%. Esse ponto pode mencionar-se a poupar para uma compra de peças de vestuário, a reparação da moradia, fundo para a compra de um automóvel, pagamento da escola, férias, etc.

Omar faz-me uma pergunta que eu quero criar este artigo visto que tem que enxergar com a maneira como converter a tua poupança em investimento.
Ele nos diz: Eu tenho o hábito de poupar, contudo quero destinar-se mais longe. Tenho a ideia de que meu dinheiro se multiplique, no entanto nem imagino quais os passos a ceder, ou quais são os princípios pra fazê-lo. Nem sei por onde começar. Já ouvi muito a frase: “faça com que seu dinheiro trabalhe para tu”, soa extremamente melhor, mas na verdade eu tenho muita ignorância a respeito de e nem ao menos mesmo sou capaz de dominar, na sua plenitude, o significado da frase. Eu agradeço bastante o teu conselho.
Omar, congratulações por ter o hábito da poupança. Com isso você possui mais da metade do caminho percorrido, e tu está em vantagem com relação a muitas pessoas que não são capazes de fazê-lo. Neste instante, como bem o dizes, há que defender a economia da inflação e gerar com que ele vá aumentando com o tempo, é discursar: há que converter a sua poupança em investimento ou, como diz a frase: botar o dinheiro a trabalhar.
Isso é feito de várias formas, desde usá-lo para pôr um negócio ao investir em instrumentos financeiros que nos dão rendimentos competitivos.
A primeira diretriz sempre, é ter bem claro qual é o seu objectivo de investimento. Isto é, em que tú pretende utilizar este dinheiro. Será que ele possui guardado para imprevistos? Tu acha que, no futuro, unir mais e colocar um negócio? Quer pra pagar o engate de uma moradia? Para ter uma aposentadoria digna?
Isto é verdadeiramente essencial, em razão de uma vez que tú conhece isto, tu dispõe uma sensacional idéia de quanto tempo você vai precisar do teu dinheiro. É bastante distinto converter a sua poupança no investimento pro curto prazo, tendo como exemplo, quando você acha que você podes depender nesse dinheiro de forma imediata em caso de um imprevisto, que fazê-lo pra prazos longos, tendo como exemplo a tua remoção.
No momento em que o dinheiro é investido em um horizonte de curto período, é necessário fazê-lo em instrumentos que dêem liquidez (significa que você poderá ter seu dinheiro quase imediatamente, e que tenham pouca volatilidade, isso é, que o seu dinheiro crescer de maneira frequente e o valor de teu investimento nem suba ou desça diariamente). E é imperativo que estes instrumentos se paguem melhor do que a inflação.
Mas, quando o dinheiro é investido para prazos longos, nem é necessário ter disponibilidade imediata, pelo que a liquidez nem é tão primordial. Além disso, converter a sua poupança em investimento de longo período dá-lhe a oportunidade de investir em instrumentos que, no longo prazo, sabemos que vão subir e que nos vão dar-lhe um excelente desempenho (como por exemplo, na Bolsa de Valores), se bem que sejam instrumentos que, a curto tempo tenham muita volatilidade.
Do meu ponto de vista, os instrumentos ideais para converter a sua poupança no investimento, as sociedades de investimento, já que tú podes fazer um portfólio diversificado que esteja em linha com seus objetivos e tua tolerância ao traço.
No primeiro caso (recursos de curto prazo), você deve procurar ter liquidez: concentrar tua carteira em fundos de investimento que invistam, a curto período, que na sua maioria têm liquidez diária e paguem rendimentos competitivos. Há várias. Em geral, podes-se investir nelas a partir de 10.000 pesos.
No segundo caso, a despeito de podes-se inverter por intermédio do mesmo valor, torna-se um pouco mais sofisticado, já que o melhor é desenvolver um portfólio de investimento de acordo com seu conhecimento do mercado e tolerância ao risco (essa volatilidade de que se fala).
Para saber mais a respeito esse mercado e de como converter a sua poupança no investimento recomendo-te o suplemento “Fundos de Investimento”, que se publica no Jornal o Economista, O quinto dia útil de cada mês. Lá tú vai encontrar muita informação sobre o assunto, incluindo o telefone de alguns operadores ou distribuidores de sociedades de investimento.
Te convido para que você deixe seus comentários abaixo se você tiver questões sobre como converter a sua poupança em investimento.

Esse término de semana comecei a ler um novo livro de Finanças Pessoais intitulado Your Money: The Missing Manual

Na introdução, o autor menciona alguns fundamentos de tua filosofia financeira, muitas das quais compartilhamos. Uma delas fala da importância de ter claras as nossas metas financeiras, que é um conceito do qual escrevi inúmeras vezes, em tão alto grau no Site como pela seção Suas Metas e Objetivos dessa página.
Como já mencionei em novas ocasiões, um plano financeiro é como um mapa que indica como comparecer onde estamos agora (nossa situação financeira atual) até onde queremos entrar (nossas metas financeiras). Ninguém embarcaria em um barco, sem ter um rumo: sem ter claro pra que porto quer voltar.
Da mesma forma, J. D. Roth menciona que, se não temos claras nossas metas financeiras, então nem temos um sentido, uma direção: pra onde queremos comparecer. E isso significa que é bastante fácil gastar dinheiro em coisas das quais nos arrepentiremos depois (quantas vezes nem nos dissemos a nós mesmos: “Se eu nem tivesse comprado isso, não estaria tão endividado…”).
Porém, pelo contrário, no momento em que estamos economizando pra adquirir uma casa, pra pagar a educação de nossa filha, para adquirir um carro ou para ter uma aposentadoria confortável, então temos claro para onde queremos voltar. Esses objetivos, além disso, nos ajudam a manter o tópico, e lhe dão significado ao nosso plano.
Ter claras as nossas metas e objetivos, é também um componente essencial para saber como investir o nosso dinheiro. Nem é o mesmo que investir recursos que poderíamos necessitar, em qualquer instante, como, tais como, o nosso fundo de emergência, que investir o dinheiro que é destinado a construir um fundo pro nosso retiro, e que precisamos dentro de 20, trinta ou 40 anos. No primeiro caso, o nosso horizonte de investimento é de muito curto tempo, o que significa que temos uma inevitabilidade de liquidez imediata. Porém, além disso, este horizonte não podemos tolerar uma volatilidade no valor de esse investimento, que tem que ser muito segura e estável (caso contrário, corremos o amplo risco de ser obrigado a nesse dinheiro no pior momento dos mercados financeiros).
Entretanto, pelo contrário, pro nosso retiro dentro de um tempo muito enorme, nem precisamos ter liquidez imediata. Em um período tão comprido, podemos ter um portfólio com alguma volatilidade adequada com nosso perfil de risco, ou melhor, que nem nos tomar o sono, no entanto que nos permita comprar um desenvolvimento bastante maior de nosso dinheiro.
A pergunta mais comum que recebo dos leitores, é como eu recomendo investir o teu dinheiro. A grande maioria deles eu respondo que primeiro precisam ter muito claro o que querem elaborar com o dinheiro: para que querem investir, já que de outra forma nem posso dar-lhes um conselho adequado. Infelizmente, são poucos os que voltam comigo. A grande maioria acho que esperavam um conselho milagroso como “esse fundo de investimento tem dado excelente funcionamento, ou esta ação tem muito potencial, ou eu recomendo investir em euros, ou comprar ouro, ou talvez um pouco de Forex”. Contudo não sou tão irresponsável, e, certamente, a assessoria que disponibilizou não vai desse sentido.
Dado que melhor, caros leitores, convido-os a ponderar a respeito quais são as tuas metas e objectivos, e garantir que essas metas estejam alinhadas com seus valores mais profundos. Sem dúvida, estes são os fundamentos de cada plano financeiro pessoal.

Por esse post pretendemos aproximar-se o assunto da carteira de riscos no assunto de um clima de instabilidade económica e de uma série de precedentes gerados pelas crises financeiras da década passada.
Os investidores institucionais têm aprendeu uma dura lição, em 2008-2009. Globalmente, os fundos de pensão perderam cerca de vinte e três% do valor da carteira, ou cerca de 5,4 trilhões de DÓLARES, de acordo com dicas fornecidos pela OCDE. O período de crise financeira possui nos exposto que um dos princípios fundamentais da teoria do portfólio, i.e. diversificação de ativos, ajustado só cada vez que teria que provar uma solução de poupança. A correlação entre os ativos a nível mundial possui aumentado, levando à perda das vantagens da diversificação, e isto em extenso quota devido ao comportamento dos investidores, que, depois de entrar em modo de pânico, eles iniciaram as ordens de venda ao desconsiderar fatores de meio ambiente fundamental. A psicologia dos investidores foi, pode ser que, o fator mais considerável no colapso do preço do ligeiro durante a incerteza financeira, causando um efeito cascata que levou os mercados para mínimos históricos.
Nos dias de hoje, nos encontramos em uma situação embaraçosa. As políticas dos bancos centrais têm trazido taxas de juro pra valores muito baixos (baixos dos últimos 6 décadas), durante o tempo que os mercados de ações são caracterizadas por uma maior volatilidade. Além disso, o desempenho afirmativo dos mercados de títulos poderá reverter, no mínimo em termos do Fed, com a interrupção do programa de flexibilização quantitativa. Dessa forma, pela pesquisa por taxas de juros mais altas, toda a estrutura de risco/rendimento de fundos de investimento, torna-se bastante difícil de gerir do sinal de visão do potencial de perdas.
Para evitar quaisquer situações ruins, os investidores tentam localizar soluções alternativas de gestão de traço. Tais como, em uma busca da Mercer Sinal as estratégias de investimento dos fundos de pensões europeia em 2014, destacou o fato de que o risco de taxa de juros e a inflação continua a ser a mais essencial de elementos abrangidos por estas (hedging). Por este sentido, a nível europeu, vinte e nove% dos activos são geridos de acordo com uma estratégia de cobertura (hedging) o sistema de reembolso (de responsabilidade impulsionado o investimento), já que no desfecho, em homenagem aos fluxos de caixa constitui o intuito principal desta classe de investidores. Pra gerir eficazmente este defeito (e o padrão de riscos de taxa de juros e a inflação), as estratégias acima mencionadas utiliza instrumentos derivativos, entre os mais utilizados a ser (em inglês) swaps de taxa de juro, a inflação swaps, total return swaps e acordos de recompra. Na Roménia, novas destas ferramentas ainda são extremamente insuficiente líquidos ou inexistente, o que implica, no conclusão, o evento de que flutuações significativas pela curva de rendimento ou aumentos pela inflação poderá corroer a carteira e levar a uma eventual redução no rendimento acumulado e, em casos extremos, até mesmo do capital investido. Ao mesmo tempo, pra mitiga riscos acima mencionados, muitos investidores estão se voltando pra ativos alternativos tipo de núcleo de real estate (classe A) ou infra-infraestrutura. Além do fato de que elas conseguem substituir, do pingo de vista da estrutura dos fluxos de caixa dos títulos, os rendimentos são, várias vezes superior a esse último (o intervalo de trezentos a quatrocentos bps sobre isto o soberano referência no país de referência).
Outra solução pra mitigação do traço é a abordagem de traço/paridade (risco-método de paridade). Esta estratégia concentra-se pela alocação de riscos, e não na alocação da carteira. Em algumas frases, ao invés nos recomendar, por exemplo, uma distribuição de sessenta%/quarenta% em títulos de participação/acções, o loteamento, o que poderia tópico de 90% do risco da carteira de categoria de acções, podemos reflexionar em uma forma de distribuir o traço temos como propósito em todas as classes de ativos, dependendo do fato do mercado no momento. Assim sendo, cada vez mais, os fundos de pensão nos EUA, utilizando este método de gestão de risco, uma vez que esta abordagem tende a dividir o risco dinâmico igualmente entre todas as classes de ativos.
Mais modernas técnicas de gestão de portfólio concentra-se em métodos mais usuais, como a atribuição do tipo núcleo-satélite”. Através dessa abordagem, a carteira é retida na maioria (mais de 50%) em uma estratégia passiva, o acompanhamento de um índice de ações, de tal modo que cada posição é investido na mesma proporção em que é encontrado no índice (core). O restante dos activos são direcionados para fundos com estratégias ativas, que visam produz mais violento (alfa afirmativo) em um traço mais elevado (satélites). Assim, o traço de satélites é mitigat da abordagem do passivo núcleo lugar, enquanto o regresso sobre isso o adicional de referência-website é trazido a você por satélites.
Tome, por exemplo, um modelo de portfólio alocado sessenta% em uma estratégia passiva, tais como, os quarenta% restantes sendo direcionado para as posições ativas (onde esperto significa que tudo o que não é pela mesma proporção com o valor de referência do web site). A ideia é aparecer no término de uma informação (relação regresso/traço de ativos), maior do que um.

Em conclusão, é óbvio que os participantes do mercado de fundos de investimento sofreram perdas substanciais em períodos de incerteza financeira, que levou à consideração de estratégias pra mitigação do risco é bem em relação aos usuais. Eles são baseados em primeiro lugar, a prevenção de perdas significativas, em face de fatores de traço imprevisível, ou com uma pequena probabilidade (fat rabo-de-riscos), visto que as estatísticas dos últimos anos ilustrou que tais eventos tendem a transportar a um contágio em toda a paleta de classes de ativos. Na Roménia, a ausência ou ausência de liquidez dos muitos instrumentos de hedge utilizados em mercados desenvolvidos expor os investidores a volatilidade do mercado.

Dezembro é o mês em que todos os empregados recebem dinheiro extra. Aproveitar o bônus, dessa forma, é uma obrigação para com nós mesmos.
Algumas pessoas esperam essa renda com receio, já que esta compensação representa um tanto de oxigênio, o que lhes permite sair à tona em um recinto econômico tão difícil como o que está em nosso país. Outras esperam, com esse dinheiro, ter uma boa ceia de natal com a família e, se sobra, conduzir alegria pra os filhos através dos anelados presentes. Ambas são formas válidas de desfrutar o bônus.
Nessa época do ano, há também um tremendo bombardeio publicitário de diversos comércios, que nos convidam a gastar todo esse dinheiro, e comprar, além de recentes dívidas com a promessa de que tú poderá pagá-las “aos doze meses sem juros”. Alguns bancos, por outro lado, começam a promover os seus “investimentos de natal”, muitas das quais pagam taxas de fato ridículas, extremamente inferiores à inflação, que ao invés de somar acabam por perder poder de compra do nosso dinheiro.
Isto é, abundam os lugares e as maneiras que existem pra que desperdiciemos esse dinheiro.
Abaixo algumas ideias que nos permitem aproveitar o bônus de melhor, em benefício de nossas Finanças Pessoais.
1.
Saldar ou reduzir dívida. Quando anunciamos mensalão em nosso crédito hipotecário, ou pagamos alguma cartão de crédito, isso nos permite conter substancialmente os interesses que se criem no futuro, gerando então um benefício essencial em nosso patrimônio e no nosso plano financeiro a longo tempo. Essa é uma fantástica forma de aproveitar o bônus.
Por outro lado, pra clientes que na atualidade, infelizmente, foram atrasado em seus pagamentos, o bônus pode ser uma boa oportunidade (dependendo do caso) pra se aproximar de teu banco e voltar a um acordo que possa ser conveniente para ambas as partes, procurando que se reduzam ou cancelarem os juros e encargos de mora, se é que podemos oferecer um pagamento total.
2.
Acontecer alguma de suas nossas metas de curto ou médio prazo (alguma compra vasto planejada). Uma das maiores satisfações que poderá ter um indivíduo, e, sem dúvida, a melhor recompensa de conduzir as nossas finanças pessoais em ordem, é olhar nossas metas realizadas. Quando uma pessoa dispõe planos de aproveitar o bônus pra elaborar reparos em sua residência ou completar o valor necessário pra construir uma compra maior, é sério fazê-lo.
Mas, por este caso, é considerável nem entrar em dívida com o resto dos compromissos de natal, ou fazê-lo de uma forma inteligente, que nem implique uma deterioração de nossa situação financeira no futuro.
Três.
Começar ou complementar o nosso fundo para emergências. Como já disse em várias ocasiões, de um fundo para emergências é uma ferramenta indispensável para alcançar a tranquilidade financeira. São recursos que podemos dispor no caso de um “dia chuvoso”, como também é chamado. Um fundo para emergências nos dá constância no momento em que ocorre algum imprevisto, como uma doença ou um acaso (apesar de ter um seguro, a todo o momento há despesas adicionais nem abrangidos pelo mesmo).
Por outro lado, perante a situação económica que se vive nestes momentos, um bom fundo para emergências nos permite enfrentar, de uma forma bastante mais tranquila, uma potencial perda de emprego. Se nem o temos, ou nem está completa, podemos usufruir o bônus pra formarlo.
4.
Iniciar ou contribuir pra um Plano Pessoal de Remoção com Incentivo Fiscal. Do meu sinal de visão, esta é uma das mais perfeitas formas de aproveitar o bônus, ou no mínimo quota dele. Um plano pessoal de remoção é uma poupança a comprido tempo, que, além disso, dedutível na sua plenitude, até 10% de nossa renda anual com máximo de cinco Salários Mínimos Elevados ao Ano (aproximadamente cem.000.00 pesos em 2009).
Isso significa que, supondo que tributamos a taxa máxima que hoje é de 28% anual (subirá pra 30% em 2010), de cada cem dólares que toca a poupar, finanças nos remete 28 pesos em nossa declaração anual. Este é um desempenho instantâneo espaçoso, e significa que, na verdade, nós só estamos colocando nós 72 pesos, e o Governo o resto. Não há excelente negócio. Além disso, no instante do nosso retiro, existem estímulos fiscais adicionais.
O único inconveniente é que nem podemos tocar este dinheiro até completar sessenta e cinco anos de idade (se o fizermos antes, teremos que pagar o imposto sobre o assunto o valor que possamos excluir, à taxa que estiver em vigência no momento, já que a remoção é considerada uma renda acumulável). Todavia, um Plano Pessoal de Remoção é o veículo perfeito pra dar início uma poupança, tendo em visibilidade o objetivo pessoal mais interessante: o nosso retiro.
Cinco.
Investir para alcançar uma meta futura. Há pessoas que planejam desfrutar o bônus para uma meta futura: como por exemplo, pra unificar o engate de uma moradia. Nestes casos, é primordial investir em instrumentos que estejam de acordo com essa meta. Se a mesma está prevista em um tempo inferior a três – 5 anos, há que buscar instrumentos que sejam adequados pra este horizonte. E, acima de tudo, que possam, ao menos, conservar e aumentar o poder de compra de nosso capital.
Nem há que entrar no jogo de alguns bancos que oferecem benefícios adicionais com taxas reais negativas, já que nosso dinheiro vai perder poder de compra com o tempo. Lembre-se que os meses de dezembro, janeiro e fevereiro costumam ser de alta inflação, o que a deterioração do poder de compra tende a ser maior.
Como tú acha de aproveitar o bônus que tu recebe?

Este post, Como nem tomar decisões de dinheiro? foi editada e atualizada por último a respeito quatro de agosto de 2015
Muitas vezes me senti apavorado de pessoas que tomam decisões de dinheiro sem saber o que estão fazendo. Ou que falam sem saber o que dizem.
Quase diariamente recebo casos no meu e-mail de pessoas que confundem, tais como, bancos com Afores. Ou caixas de poupança com operadoras de fundos de investimento.
Desde então, nem há nada de falso com a perguntar: minha vocação é orientar, educar e amparar. Porém a maioria das pessoas o faz depois que já tomaram más decisões de dinheiro e, sendo assim, sofreram qualquer dano. O mais frustrante, pode ser que, é que mesmo que você tente fazê-los compreender o que aconteceu, fecham-se e continuam a reflexionar que todos no universo financeiro são uns ladrões.
Tomemos o caso de deficiência das Afores, que tentei esclarecer, em muitas ocasiões, e que correspondem a movimentos normais dos mercados financeiros. Nem ao menos todos os instrumentos tocam ao mesmo tempo e, às vezes, baixam de valor (inclusive os instrumentos que pagam uma taxa fixa). Isto é fração de investir e necessita-se perceber o que acontece e por que ocorre, antes de emitir uma opinião. Nem obstante, nem faltam as pessoas que se queixam de que as Afores são outro esquema mais para pegar os trabalhadores de sua renda. Nada mais afastado da realidade.
Também há o caso da pessoa que se queixava já que investiu em um fundo de investimento que teve fortes perdas (e desde então assumiu, tirando seu dinheiro). Isto aconteceu insuficiente antes da recessão financeira de 2008, que viu quedas nas bolsas de valores superiores a quarenta% (que depois se recuperaram, aliás, como sempre acontece, mesmo que isto tomou um pouco de tempo).
A questão é que essa pessoa nem sabia que tinha investido cem% de seus recursos em um fundo de renda variável. Bem que assinou teu questionário de perfilamiento e também que ele tinha lido o folheto de informações ao público investidor deste fundo. Simplesmente se sentiu deslumbrado com os rendimentos históricos que viu o anúncio, e neste momento enfiou seu dinheiro lá fora pensando que eu ia multiplicar. Sem saber o que fazia, sem captar o aparelho que havia escolhido e sem saber em que se gastava o teu dinheiro. Esse é um exemplo óbvio de como não tomar decisões de dinheiro.
Curiosamente, tirá-lo também nem foi uma boa decisão, já que, se o tivesse deixado por volta de três ou 4 anos mais, na realidade, teria obtido um regresso muito interessante sobre isto seu investimento original. Arredar o teu investimento no pior instante também é um exemplo de que forma não tomar decisões de dinheiro. É primordial também apontar isso.
Porém as más decisões de dinheiro não se dão só pela questão de investimentos. Também em créditos hipotecários, como por exemplo, as pessoas que pensam que usar o teu Crédito Saiba é a melhor opção, quando, como já assinalado, é o crédito de valor elevado.
Várias pessoas tomam decisões de dinheiro que praticamente garantem a derrocada financeira.
Alguns exemplos:
Porém, sem dúvida alguma, a forma mais comum de tomar más decisões de dinheiro é simplesmente não perceber a decisão que estamos tomando. Este é o maior traço de todos e o que devemos evitar a todo o gasto. Quantas pessoas perderam seu dinheiro a ganhar uma falsa sensação de “segurança”? É hora de acordar e tentar perceber nossas opções (o que nem é nada difícil, apesar de toda a “jargão” financeira que nos dirigem). É hora de produzir a nossa tarefa e aprender a tomar boas decisões de dinheiro.

Em várias ocasiões, mencionamos o importante é saber lidar correctamente com nosso dinheiro e defender o fruto de nosso serviço contra eventos imprevistos. Desse jeito, damos abaixo uma tabela de vinte coisas que podemos elaborar prontamente pra resistir com as Finanças Pessoais e para que possamos cumprir com todos os nossos objetivos, no prazo que nos tenhamos fixado.
Um. Obtenha o valor de seu patrimônio.
Faça um balanço pessoal, calculando o valor de seus ativos e de seus passivos, pra obter o valor total de seu patrimônio. Faça mensalmente o exercício, a encerramento de que, se tú escoltar essas dados, visualize como se intensifica a cada mês.
2. Pague suas dívidas e comece a economizar.
Suave a cabo uma análise detalhada de tua situação financeira, seus rendimentos e as suas despesas. Olhe para onde vai o seu dinheiro, e de como tú poderá economizar. Não gaste os aumentos de salário ou bônus que tú receberá, use-os pra pagar parcela de suas dívidas e, no momento em que haja sido liquidada, destínelos economia pro efeito de seus objetivos. Esta é uma forma para cuidar de seu dinheiro.
Três. Crie o seu fundo de emergência.
É muito primordial ter a todo o momento dinheiro disponível, o equivalente a entre três e 6 meses de despesa corrente, investidos em uma conta segura, acessível, líquida e que gere interesses acima da inflação. Use este dinheiro somente para emergências e imprevistos, a término de que nem tenha que lançar mão do dinheiro que foi economizado pra outros fins.
Quatro. Invista mais de imediato.
Durante o tempo que mais e mais muito em breve invista, mais benefícios tú terá, graças à mágica do juro composto.
5. Seja sistemático.
Deposite seu salário diretamente em sua conta corrente, e use as vantagens eletrônicas, que oferecem alguns bancos para transferir automaticamente um valor específico de cada mês a tua conta de investimento. Aproveite as vantagens que lhe oferecem os programas comerciais de Finanças Pessoais para conservar um registro diário de todos os seus movimentos, e ter sempre à mão os dados mais relevantes.
6. Eduque-se a si mesmo.
Leia artigos, livros e revistas de Finanças Pessoais, que lhe trarão outras idéias a respeito de como ser bem saver, como obter de maneira mais inteligente, como cuidar do teu dinheiro e como ser bem investidor. Assista a cada um dos seminários e debates que puder. Se bem que tú possa ter o seu próprio consultor de investimentos, precisa-se a toda a hora dominar e compreender os aspectos básicos sobre isso o investimento.
7. Contrate um especialista.
Se tu não dispõe nenhum consultor financeiro, e acha que precisa de alguém que lhe oriente, procure e contrate o que domina ocupar sua confiança. O conselheiro sublime precisa ouvir todos os seus anseios, preocupações e objetivos, e desenhar um plano de investimento à quantidade que o guie para o caminho certo pra obtê-los. Tu precisa ajudá-lo a cuidar de teu dinheiro.
8. Diversifique seus investimentos.
Diversificar significa não botar todos os seus ovos em uma única cesta – isto é fundamental pra cuidar de teu dinheiro. Invista em diferentes instrumentos, um tanto em instrumentos de dívida, outro pouco em instrumentos de cobertura cambial e algo mais em renda variável, todavia sempre cuidando de suas necessidades de liquidez, tuas expectativas de desempenho e perfil de risco.
Nove. Verifique se o seu relatório de crédito.
No México, qualquer pessoa física podes ter acesso ao teu relatório do Departamento de Crédito de forma gratuita. Conhecê-lo e estar ciente de sua situação de crédito é o primeiro passo para melhorá-lo.
10. Controle os seus cartões de crédito.
Utilícelas apenas como um meio de pagamento para desfrutar o financiamento gratuito que oferecem, e páguelas inteiramente antes de tua data limite. Nunca as use como um meio de crédito, a menos que se trate de uma verdadeira emergência. Tenha só o que tú necessita pra atender às tuas necessidades.
Onze. Considere a tua pensão.
Faça uma projeção a fim de saber quanto terá na sua Afore no momento em que se aposentarem, assumindo que o teu salário permanecerá constante. Encontre quanto dispõe já acumulado e o quanto está contribuindo pro bimestre. Use um funcionamento real do cinco-6% e contemple as comissões sobre o assunto saldo ou funcionamento que aplica a tua Afore. Faça esse exercício a quando o seu salário se modifique.
Doze. Calcule quanto você vai depender para a tua remoção.
Se vê que não lhe atingirá com o que terá na sua Afore, complemente com tua poupança com contribuições voluntárias, com um seguro de existência dotal ou com um plano de remoção independente.
Treze. Conheça os benefícios que lhe dá o teu sistema de Segurança Social.
Os sistemas de Segurança Social no México oferecem muitos benefícios. Os mais importantes são, sem dúvida alguma, o seguro de doença e maternidade, o pagamento de incapacidades e o justo a uma pensão em caso de invalidez total e infinito. Saiba quantas semanas tu deverá cotar para obter qualquer um dos benefícios que dispõe a legislação em vigência e tente desfrutar todos os seus benefícios.
14. Verifique que a tua cobertura de seguro.
Esta é uma outra forma de tomar conta de seu dinheiro. Certifique-se de ter adequadamente assegurado sua casa, saúde, existência, automóveis e responsabilidade civil. Se tú dispõe uma moradia, obtenha uma cobertura de valor de reposição, se você rendimento, assegure as tuas propriedades pessoais.
15. Planeje sua sucessão.
Faça um testamento, ou contrate um compromisso testamentário, a final de garantir que o fruto do seu serviço, fique nas mãos certas, e evitar que seus entes queridos tenham que realizar longas e custos de formalidades, ou tenham que enfrentar dolorosos julgamentos e discussões entre eles. Isso é tomar conta do teu dinheiro pra no momento em que já nem estiver.
Dezesseis. Continue atualizados seus beneficiários.
Algumas vezes, nossa designação de beneficiários, o que corresponde a necessidades imediatas, as quais estão sujeitas a variar com o tempo. É um bom costume de ver, uma vez por ano, quem são os beneficiários de todas as suas contas ou apólices de seguro, e elaborar as modificações necessárias no caso de que necessitam.
17. Mantenha todos os seus registros financeiros em um lugar seguro.
Guarde todos os seus contratos em uma caixa contra incêndios, uma interessante opção pode ser uma caixa de segurança em um banco. Além disso, continue sempre uma cópia deles, para qualquer esclarecimento que deva acontecer. Se dispõe computador, tú pode conservar todos os seus sugestões em um arquivo, mantendo um backup da informação em um ambiente seguro. Certifique-se que o seu cônjuge ou uma pessoa de confiança saiba onde podes descobrir essa informação em caso de alguma emergência.
18. Prepare-se.
Ninguém aprecia raciocinar que um dia, nós podemos divorciada, incapacitar ou simplesmente morrer. Mas podes acontecer, portanto devemos estar a toda a hora preparados.
Dezenove. Use a sua cabeça, nem o teu coração.
Faça suas próprias pesquisas e nem baseie tuas decisões financeiras em sentimentos ou em conselhos de seus amigos. Além disso, nunca invista em uma questão que nem domina e a todo o momento pergunte. Se tú não se sente alegre com as respostas que recebe, ou se a pessoa com quem está tentando lhe faz notar desconfortável, retire o teu dinheiro imediatamente e inviértalo em outro recinto.
Vinte. Não rehuya sua responsabilidade.
Embora seu parceiro gerencie as finanças da família, você precisa a toda a hora saber o que está acontecendo com seu dinheiro. Sente-se uma vez por mês com o seu parceiro, para rever os estados de conta e os relatórios de sua situação financeira. Verifique com ela seus investimentos. Apesar de ter profissionais trabalhando para tu – contadores, analistas, consultores financeiros ou executivos de conta – você precisa sempre saber o que está acontecendo com o seu dinheiro. Tenha em mente, ninguém se preocupará mais que tu de tua segurança financeira.
Dispõe qualquer outro conselho para tomar conta de seu dinheiro, que seja prático?