Como nem tomar decisões de dinheiro?

Este post, Como nem tomar decisões de dinheiro? foi editada e atualizada por último a respeito quatro de agosto de 2015
Muitas vezes me senti apavorado de pessoas que tomam decisões de dinheiro sem saber o que estão fazendo. Ou que falam sem saber o que dizem.
Quase diariamente recebo casos no meu e-mail de pessoas que confundem, tais como, bancos com Afores. Ou caixas de poupança com operadoras de fundos de investimento.
Desde então, nem há nada de falso com a perguntar: minha vocação é orientar, educar e amparar. Porém a maioria das pessoas o faz depois que já tomaram más decisões de dinheiro e, sendo assim, sofreram qualquer dano. O mais frustrante, pode ser que, é que mesmo que você tente fazê-los compreender o que aconteceu, fecham-se e continuam a reflexionar que todos no universo financeiro são uns ladrões.
Tomemos o caso de deficiência das Afores, que tentei esclarecer, em muitas ocasiões, e que correspondem a movimentos normais dos mercados financeiros. Nem ao menos todos os instrumentos tocam ao mesmo tempo e, às vezes, baixam de valor (inclusive os instrumentos que pagam uma taxa fixa). Isto é fração de investir e necessita-se perceber o que acontece e por que ocorre, antes de emitir uma opinião. Nem obstante, nem faltam as pessoas que se queixam de que as Afores são outro esquema mais para pegar os trabalhadores de sua renda. Nada mais afastado da realidade.
Também há o caso da pessoa que se queixava já que investiu em um fundo de investimento que teve fortes perdas (e desde então assumiu, tirando seu dinheiro). Isto aconteceu insuficiente antes da recessão financeira de 2008, que viu quedas nas bolsas de valores superiores a quarenta% (que depois se recuperaram, aliás, como sempre acontece, mesmo que isto tomou um pouco de tempo).
A questão é que essa pessoa nem sabia que tinha investido cem% de seus recursos em um fundo de renda variável. Bem que assinou teu questionário de perfilamiento e também que ele tinha lido o folheto de informações ao público investidor deste fundo. Simplesmente se sentiu deslumbrado com os rendimentos históricos que viu o anúncio, e neste momento enfiou seu dinheiro lá fora pensando que eu ia multiplicar. Sem saber o que fazia, sem captar o aparelho que havia escolhido e sem saber em que se gastava o teu dinheiro. Esse é um exemplo óbvio de como não tomar decisões de dinheiro.
Curiosamente, tirá-lo também nem foi uma boa decisão, já que, se o tivesse deixado por volta de três ou 4 anos mais, na realidade, teria obtido um regresso muito interessante sobre isto seu investimento original. Arredar o teu investimento no pior instante também é um exemplo de que forma não tomar decisões de dinheiro. É primordial também apontar isso.
Porém as más decisões de dinheiro não se dão só pela questão de investimentos. Também em créditos hipotecários, como por exemplo, as pessoas que pensam que usar o teu Crédito Saiba é a melhor opção, quando, como já assinalado, é o crédito de valor elevado.
Várias pessoas tomam decisões de dinheiro que praticamente garantem a derrocada financeira.
Alguns exemplos:
Porém, sem dúvida alguma, a forma mais comum de tomar más decisões de dinheiro é simplesmente não perceber a decisão que estamos tomando. Este é o maior traço de todos e o que devemos evitar a todo o gasto. Quantas pessoas perderam seu dinheiro a ganhar uma falsa sensação de “segurança”? É hora de acordar e tentar perceber nossas opções (o que nem é nada difícil, apesar de toda a “jargão” financeira que nos dirigem). É hora de produzir a nossa tarefa e aprender a tomar boas decisões de dinheiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.