Como nós abasteceremos de energia em 2040?

A revolução, que implica a aplicação do Acordo de Paris é o fio condutor da última edição do relatório World Energy Outlook, que elabora, anualmente, a Agência Internacional de Energia (IAS), e no que oferece uma análise abrangente sobre a transformação do sistema energético e avança suas previsões energéticas para 2040.
O crescimento das renováveis
O documento de trabalho da IAS coloca o foco, de forma especial, as oportunidades e novos desafios que esperam por você, as energias renováveis, pilar central da transição para a energia de baixas emissões de CO2, bem como o papel fundamental que você vai jogar a eficiência energética. Os especialistas da agência internacional consideram que as políticas governamentais, bem como as reduções de custos em todo o setor energético, permitirá duplicar as energias renováveis e melhorar a eficiência energética no próximo quarto de século.
“Vemos vencedores claros durante os próximos 25 anos, o gás natural, mas, sobretudo, a energia eólica e a solar – que substitui o campeão dos 25 anos anteriores, o carvão”, disse Fatih Birol, diretor executivo da IAS. “As energias renováveis darão grandes passos nas próximas décadas, mas se mantêm em grande parte limitadas para a geração de eletricidade. A próxima fronteira para as energias renováveis é ampliar seu uso nos setores industrial, de construção e de transporte, onde existe um enorme potencial de crescimento”.
Eficiência e segurança energética
O IAS também coloca a sua atenção na segurança energética, cujos riscos inerentes mudam ao mesmo tempo em que evoluem as fontes de aprovisionamento energético. As preocupações tradicionais relacionadas com o fornecimento de petróleo e gás continuam a ser as mais importantes, embora o relatório indica que “mais um ano de investimentos de petróleo mais baixas em 2017 criaria um risco significativo de um défice no fornecimento convencional dentro de alguns anos”. Esta falta de investimentos por parte dos produtores de petróleo, decorrente da constante queda dos preços do crude, é preocupante já que, “a longo prazo, o investimento em petróleo e gás continua a ser essencial para atender a demanda e substituir a produção em declínio”.
Neste sentido, a IAS aponta que a demanda mundial de petróleo vai continuar a crescer até 2040, “principalmente devido à falta de alternativas fáceis de petróleo no transporte rodoviário de mercadorias, aviação e o petroquímico”. No entanto, aponta que “a demanda de petróleo nos veículos de passageiros diminui, apesar de que o número de veículos vai dobrar no próximo quarto de século, graças, principalmente, a melhorias na eficiência, mas também ao crescimento dos biocombustíveis e o aumento da propriedade de veículos elétricos”.
Finalmente, o World Energy Outlook avança que o consumo de carvão apenas crescerá nos próximos 25 anos, “já que a demanda na China começa a recuar, graças aos esforços que vem fazendo para combater a poluição e diversificar suas fontes energéticas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.