A Importância de Ter Claras as Nossas Metas Financeiras

Esse término de semana comecei a ler um novo livro de Finanças Pessoais intitulado Your Money: The Missing Manual

Na introdução, o autor menciona alguns fundamentos de tua filosofia financeira, muitas das quais compartilhamos. Uma delas fala da importância de ter claras as nossas metas financeiras, que é um conceito do qual escrevi inúmeras vezes, em tão alto grau no Site como pela seção Suas Metas e Objetivos dessa página.
Como já mencionei em novas ocasiões, um plano financeiro é como um mapa que indica como comparecer onde estamos agora (nossa situação financeira atual) até onde queremos entrar (nossas metas financeiras). Ninguém embarcaria em um barco, sem ter um rumo: sem ter claro pra que porto quer voltar.
Da mesma forma, J. D. Roth menciona que, se não temos claras nossas metas financeiras, então nem temos um sentido, uma direção: pra onde queremos comparecer. E isso significa que é bastante fácil gastar dinheiro em coisas das quais nos arrepentiremos depois (quantas vezes nem nos dissemos a nós mesmos: “Se eu nem tivesse comprado isso, não estaria tão endividado…”).
Porém, pelo contrário, no momento em que estamos economizando pra adquirir uma casa, pra pagar a educação de nossa filha, para adquirir um carro ou para ter uma aposentadoria confortável, então temos claro para onde queremos voltar. Esses objetivos, além disso, nos ajudam a manter o tópico, e lhe dão significado ao nosso plano.
Ter claras as nossas metas e objetivos, é também um componente essencial para saber como investir o nosso dinheiro. Nem é o mesmo que investir recursos que poderíamos necessitar, em qualquer instante, como, tais como, o nosso fundo de emergência, que investir o dinheiro que é destinado a construir um fundo pro nosso retiro, e que precisamos dentro de 20, trinta ou 40 anos. No primeiro caso, o nosso horizonte de investimento é de muito curto tempo, o que significa que temos uma inevitabilidade de liquidez imediata. Porém, além disso, este horizonte não podemos tolerar uma volatilidade no valor de esse investimento, que tem que ser muito segura e estável (caso contrário, corremos o amplo risco de ser obrigado a nesse dinheiro no pior momento dos mercados financeiros).
Entretanto, pelo contrário, pro nosso retiro dentro de um tempo muito enorme, nem precisamos ter liquidez imediata. Em um período tão comprido, podemos ter um portfólio com alguma volatilidade adequada com nosso perfil de risco, ou melhor, que nem nos tomar o sono, no entanto que nos permita comprar um desenvolvimento bastante maior de nosso dinheiro.
A pergunta mais comum que recebo dos leitores, é como eu recomendo investir o teu dinheiro. A grande maioria deles eu respondo que primeiro precisam ter muito claro o que querem elaborar com o dinheiro: para que querem investir, já que de outra forma nem posso dar-lhes um conselho adequado. Infelizmente, são poucos os que voltam comigo. A grande maioria acho que esperavam um conselho milagroso como “esse fundo de investimento tem dado excelente funcionamento, ou esta ação tem muito potencial, ou eu recomendo investir em euros, ou comprar ouro, ou talvez um pouco de Forex”. Contudo não sou tão irresponsável, e, certamente, a assessoria que disponibilizou não vai desse sentido.
Dado que melhor, caros leitores, convido-os a ponderar a respeito quais são as tuas metas e objectivos, e garantir que essas metas estejam alinhadas com seus valores mais profundos. Sem dúvida, estes são os fundamentos de cada plano financeiro pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.